home office e o perfil das empresas

Home Office gerando mudanças no perfil das empresas: saiba como!

Talvez há dois anos atrás, nunca imaginávamos que o home office se tornasse uma modalidade tão popular como é hoje.

Isso porque o trabalho remoto era bastante restrito a determinadas empresas que, inclusive, eram vistas como inovadoras naqueles anos.

Entretanto, devido ao advento da pandemia do Covid-19, as medidas restritivas sanitárias “forçaram” o avanço dessa forma de trabalho em casa.

Com isso, o home office têm mudado bastante o perfil das empresas, tanto para os funcionários, quanto para os consumidores.

Nessa realidade, é possível afirmar que esse potencial transformação não deve retroceder mais.

Afinal, grandes ganhos foram notados neste período de teste drive, que tem dado bastante certo!

E aí, ficou curioso para saber como o trabalho remoto tem impactado na realidade das empresas?

Continue a leitura desse artigo e saiba mais sobre esse tema.

A expansão do Home Office

O trabalho remoto não é novidade para algumas pessoas, por exemplo, a multinacional suíça LafargeHolcim, já trabalhava nesse sistema.

Por lá, os funcionários administrativos desfrutavam de um ou dois dias por semana trabalhando em casa.

Com a expansão do home office, o plano é que esses mesmos funcionários passem a estar em suas casas trabalhando cerca de três dias por semana.

E essa é uma mudança mais tênue! Isso porque na sede brasileira as mudanças serão mais radicais.

Os 150 funcionários do Rio de Janeiro passarão a trabalhar integralmente no modelo home office.

Assim, a empresa terá uma economia de R$ 2 milhões anuais com aluguel de escritórios.

Agora imagina isso no seu negócio, o quanto você pode economizar com infraestrutura se conseguir adaptar os seus funcionários a essa nova rotina de trabalho?

Bem, é claro que todo modelo tem os seus prós e contras, mas é nítido que muitos funcionários se sentem mais satisfeitos em estar perto da família e evitar trânsitos caóticos diariamente.

Adaptação dos escritórios

E para os que continuam frequentando os escritórios, há novidades também.

Os diretores de RH enxergam que nesse novo normal, é necessário que esses ambientes cultuem layouts que facilitem as interações e as reuniões.

Nesse momento em que as pessoas trabalham de forma remota, os curtos momentos juntos devem ser prezados para gerar um maior espírito de colaboração.

O trabalho híbrido

Mesmo com uma adaptação que traz sucesso produtivo, ainda existem organizações que prezam pelas interações físicas.

Por isso, é possível que muitas empresas, apesar de serem adeptas ao home office, continuem com dias presenciais.

Para gerar uma maior liberdade para os colaboradores, com a normalização da rotina, estes poderão decidir onde trabalhar em alguns dias, mas comparecendo em algum momento da semana no escritório.

Essa preocupação é devido ao fato de muitas organizações prezarem pelo espírito de família.

Mesmo que isso consuma algumas horinhas de deslocamento, é importante que as pessoas tenham a oportunidade de trabalhar juntas acelerando o processo criativo.

Além disso, ainda existem colaboradores que não dispõe de um ambiente adequado em casa, prejudicando assim seu foco no trabalho.

Perfis 100% home office

Bem, vimos no tópico anterior que há empresas que preferem manter a conexão presencial dos seus colaboradores, mas nem todas funcionarão assim!

O setor de tecnologia das gigantes Magazine Luiza e Via Varejo trabalham 100% home office.

No total, são cerca de 1.500 funcionários que não precisarão mais retornar para o escritório mesmo com o fim da pandemia.

Nessa realidade, por se tratar de uma área que pode ser bem conduzida virtualmente, afinal, todo o trabalho é feito online, o home office integral funciona muito bem.

Contudo, essas empresas ainda utilizarão o modelo híbrido para os outros funcionários (cerca de 38.500) que atuam nas mais diversas áreas.

A decisão do Ministério Público do Trabalho sobre o Home Office

Com a expansão do home office, em outubro de 2020, o Ministério Público do Trabalho (MPT) divulgou que deve fiscalizar as condições dos trabalhadores nesse modelo.

Além disso, o MPT divulgou também uma nota técnica com 17 diretrizes e trouxemos os principais pontos dessa nota técnica:

Aditivo

De acordo com o MPT, a prestação de serviços deve ser formalizada com um contrato de trabalho aditivo por escrito.

Nele, o empregador precisa especificar a duração do contrato, a responsabilidade e a infraestrutura para o trabalho remoto.

Além disso, a empresa deve reembolsar as despesas relacionadas ao trabalho realizadas pelo colaborador.

Ergonomia

Trabalhar em casa não é sinônimo de deitar na cama de qualquer jeito e abrir o notebook, e o MPT está de olho nisso!

Por isso, os empregadores precisam oferecer mobiliário adequado, que respeitem os parâmetros de ergonomia.

Além disso, o design das plataformas de trabalho online deve prezar pela ergonomia cognitiva. 

Desconexão

O colaborador tem o direito a estar desconectado fora do seu horário de atendimento virtual, o MPT assegura os repousos legais para isso e orienta que os empregadores mitiguem toda e qualquer intimidação sistemática no ambiente de trabalho.

Você gostou desse artigo? Nós da Preço Prático preparamos para você muito conteúdo sobre relacionamento entre empresas e funcionários no nosso blog!

Fique por dentro dos nossos conteúdos semanais!
Fique tranquilo, nunca enviaremos spam.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *